Páginas

terça-feira, 18 de março de 2014

Reciclando

Eu tenho a mania de me auto-diagnosticar. E já me auto-diagnostiquei viciada em compras (shopaholic, entenda-se). É que eu não consigo passar uns dias a mais que seja sem comprar qualquer coisinha. Se estou deprimida, vou às compras. Se estou feliz, vou às compras. Se não tenho nada para vestir, vou às compras. Se tenho, penso que não é o mais adequado e... vou ás compras. E, depois, o que me intriga é que o meu armário parece que tem sempre a mesma quantidade de roupa, ou seja, quase nenhuma. E quando dou por ela, preciso mesmo de ir comprar alguma coisa que já não há trapinho que me assente para aquela determinada ocasião. Claro que o dinheiro não estica e já diz o ditado, que quem não tem dinheiro, não tem vícios. Por isso, agora ando numa de “reciclar” a roupa que tenho aqui por casa. Transformá-la um bocadinho para que possa ser usada numa outra perspectiva e, por isso mesmo, a sinta como nova. Nunca é a mesma coisa, mas isso é como a soja... Nunca vai ser carne, mas há gente que a come como tal!
Enfim, o que optei por fazer com este vestido de há duas coleções da Zara...




 Foi espetar-lhe com uma camisola em cima e transformá-lo numa saia:




Já as botas (das quais não consegui mesmo arranjar a imagem) tinham, na sua versão original, um cano alto em tecido canelado. Não sei o que me passou pela cabeça na altura para as comprar e há meses que estavam paradas naquele cantinho do armário dos sapatos em que nunca ninguém mexe nem para limpar o pó. Há uns tempos, resolvi arriscar tudo e arrancar-lhe o tecido por completo. Até que deram nuns botins giros:




E, assim, sem gastar um cêntimo que fosse acabei por usar um outfit (quase, quase) a estrear. Enfim, isto é como a reciclagem, não é que para já esteja a fazer grande diferença no ambiente sendo que são tão poucas as pessoas que a fazem... Também a minha reciclagem esporádica ainda não está a fazer diferença na minha carteira. Mas, um passo de cada vez! E mais vale assim do que nada.

L.