Páginas

domingo, 27 de julho de 2014

Sobre as 4 folgas semanais...

Diz o senhor Carlos Slim, o segundo mais rico do Mundo, que devíamos trabalhar apenas três dias por semana, folgando os outros quatro. Cada jornada diária de trabalho teria, então, entre 11 a 12 horas e a idade de reforma avançava até aos 75 anos, aproximadamente. Não podia estar mais de acordo! E, sejamos sinceros, se este senhor é um dos mais ricos do Mundo provavelmente sabe do que fala. Ora, para mim quem trabalha oito horas, trabalha mais três ou quatro. O dia já está "perdido" para o trabalho e está. Depois, sejamos sinceros, não vai ser na idade da reforma que vamos aproveitar o melhor que a vida tem para nos dar. Aí, já só queremos curtir os netos e descansar. Quanto aos quatro dias de folgas, é do melhor que há. Falo por experiência própria que nas últimas duas semanas, trabalhei dez dias para ter quatro seguidinhos em casa. Já no meu trabalho anterior, tínhamos esta possibilidade. Talvez fale de forma egoísta já que estando longe de casa sinto que esta opção me compensa ainda mais (o primeiro e o último dia quase que são passados em viagens!). 
Os últimos quatro dias foram ricos em tudo que podiam ser e cheios como deveriam ser sempre. Não me interpretem mal. Eu adoro trabalhar, adoro poder fazer aquilo que gosto, mas mesmo quando não podia, dava o meu melhor e fazia-o com todo o empenho e dedicação que me eram exigidos. Mas dou tanto valor aos dias de descanso, como dou aos dias de trabalho.
E portanto, como diz o senhor Slim, durante estas quatro folgas andei a contribuir para a economia portuguesa e a recarregar energias. Que venha mais uma semana! (e logo esta que vem cheia de fins, inícios e muitas mudanças, literalmente...)


Aqui fica um cheirinho de como foram as minhas quatro folgas (uma maravilha, portanto):




L.